19 — 04 — 2015
19 — 04 — 2015
15h30 / Centro Cultural Malaposta

Algures entre o antes da linguagem e a palavra ensaiada, estes quatro filmes debatem-se com a matéria essencial, livre, do cinema. O som do vento ou dos latidos em Uivo, a velocidade das imagens em Silêncio de um Gesto, a concentração do olhar em Diáspora, a reconstrução do real em O Amor das Três Romãs… Absolutamente diversos nos seus gestos e nos seus objectos, ora observando, ora comentando, ora em busca, ora encenando, os filmes trabalham fantasmas e fantasias, lutando contra a morte da infância, da beleza, do amor.

Uivo
Rita Quelhas
(2014, Portugal, 20')

Uma casa despovoada preenchida pelas marcas de quem por lá passou e dois cães sozinhos, deixados a si mesmos, que reagem a esta ausência na ventosa serra de Sintra com a sua natureza melancolicamente irrequieta perfazem uma corporização do sentimento de perda - os efeitos que se fazem sentir no espaço pelo vazio deixado por alguém ou por um sentimento. Partindo do interior de uma casa, dos restos da presença humana (silhuetas, cigarros por apagar, janelas abertas) para o exterior, a natureza uivante da serra, somos atraídos para a presença de dois cães. Neste espaço silencioso povoado pelas memórias de tudo o que por lá passou, eles são como que sensores desta imobilidade inquietante, desta "desocupação demasiado preenchida". Seguimos as reacções deles (os olhares que se prendem em algum lado, fortes latires seguidos de um descanso solitário) que acusam a falta dessa presença, de uma pessoa, de uma vivência. Dois cães desamparados num espaço em que as vozes e as presenças passadas insistem em emergir das profundezas, dos ramos das árvores, do estendal vazio.

Silêncios de um Gesto
Pedro Sousa
(2014, Portugal, 5')

A captura de um momento, de um gesto, que inevitavelmente o tempo apagará. Vivo os meus dias agarrado à câmara na ânsia de capturar certos momentos dos meus filhos que não se repetirão. A minha filha continua a crescer e a transformar-se, excepto se eu conseguir capturar um momento e eternizá-lo na minha memória. Um gesto é suficiente para saciar a minha fome de infinito.



Diáspora
Regina Guimarães
(2013, Portugal, 33')

quero casar com o diário de viagem com o filme de família sonho com uma família nómada e com viagens intensamente contemplativas envelheço o melhor que posso fabrico recordações

O Amor das Três Romãs
João César Monteiro
(1978, Portugal, 25’)

Realizado para a série televisiva “Contos Tradicionais Portugueses”, O Amor das Três Romãs é uma história de amores e feitiços.

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail to someone
APORDOC
Casa do Cinema
Rua da Rosa, 277, 2º
1200-385 Lisboa
Portugal

CONTACTOS
+351 218 883 093
+351 938 701 690
producao@panorama.org.pt
comunicacao@panorama.org.pt